Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Aulas presenciais seguem sem data para retornar em Porto Alegre - Rádio São José do Patrocínio

Fale conosco via Whatsapp: +55 51 996015863

No comando: Quarta-feira será de sol e calor na maior parte do RS

Das às

No comando: Madrugada São José

Das 00:00 às 06:00

No comando: Bombeando a cara do dia

Das 06:00 às 07:50

No comando: Festival da Trinca

Das 07:00 às 12:30

No comando: Correspondente Rede Guaíba Sat

Das 07:50 às 08:00

No comando: Show da Manhã

Das 08:00 às 12:00

No comando: Balcão de Negócios

Das 12:00 às 12:30

No comando: Momento Nativo

Das 12:30 às 13:00

No comando: ARCO DA VELHA

Das 13:00 às 14:00

No comando: Clube do Ouvinte

Das 14:00 às 17:00

No comando: Minha terra é assim

Das 17:00 às 19:00

Aulas presenciais seguem sem data para retornar em Porto Alegre

Dirigentes de escolas da rede privada de ensino estiveram reunidos nesta quinta-feira com o prefeito Nelson Marchezan Júnior e equipe técnica da prefeitura para avaliar a evolução da pandemia na Capital e projetar a retomada das aulas. O encontro, no entanto, terminou de maneira inconclusiva, uma vez que não houve definições de data de retomada do ano letivo presencial e tampouco a maneira como ocorrerá.

“Precisamos começar a construir protocolos, que sejam simples e fáceis de serem compreendidos, fiscalizados e executados. Dentro desse cenário de estabilização, há que se pensar se a retomada se dará pelo Ensino Superior, pela Educação Infantil ou pelo Ensino Profissionalizante. Não é uma reunião para definirmos datas, mas para formarmos uma convicção conjunta”, salientou Marchezan. Segundo ele, Porto Alegre abriga cerca de 380 mil estudantes, dos quais 91 mil são universitários.

O presidente do Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinepe-RS) e diretor-proprietário da Sociedade Educacional Monteiro Lobato, Bruno Eizerik, revelou que, por conta da pandemia, houve incremento da evasão escola e da inadimplência. “Sabemos da situação, o momento é complicado, mas a preservação da vida está em primeiro lugar”, afirmou. Ele lembrou que a rede privada começou com aulas remotas em março, acrescentando que as crianças da Educação Infantil e das primeiras séries do Ensino Fundamental “estão sofrendo mais com o ensino remoto”.

“O importante, neste momento, é trabalhar a ideia de voltar e quando voltar. Em junho, o governo do Estado estabeleceu protocolos que já nos adaptamos a eles. Precisamos voltar porque estamos preocupados com nossas crianças. É preciso construir um protocolo e um calendário de volta às aulas em Porto Alegre, mas não temos uma proposta pronta”, frisou. Em nota, a entidade lamentou a falta de definição de um calendário de volta às aulas.

Diretores de escolas pregam cautela

A retomada do ano letivo presencial, porém, não é um consenso entre os dirigentes das escolas da rede privada de ensino. “Nos preocupamos com o valor da vida, não queremos ser pressionados por questões políticas e financeiras. Quem será responsável pela primeira morte de aluno da Educação Infantil ou de um professor?”, questionou Rogerio Alencar Ferraz de Andrade, diretor-pedagógico do Colégio Vicentino Santa Cecilia. A diretora educacional do Colégio Santa Dorotéia, Marinice Simon, não deseja um “retorno imediato e inseguro”. “Nos preparamos e organizamos o ambiente para retornar com relativa segurança, mas menos de 30% dos pais de alunos da Educação Infantil têm intenção de voltar nesse momento. Temos professores que circulam de uma escola para outra. Hoje vivemos uma confortável situação de educação remota. Os professores se reinventaram”, afirmou. “Não é o momento de retomar as atividades, mas de aguardar”, enfatizou.

A presidente da Associação Cruzeiras de São Francisco, Iriete Ignez Lorenzetti, igualmente não é favorável ao retorno das aulas presenciais. “Passamos por problemas financeiros, perdas de alunos e inclusive precisamos apoiar algumas famílias de alunos, com a doação de alimentos. Por questão de defesa da vida, os pais são contrários ao retorno à escola agora”, comentou. Já o diretor-geral do Colégio Anchieta, Jorge Knapp, também é adepto da cautela: “Há uma possibilidade de não termos aulas presenciais em 2020”, admitiu.

O dirigente do Sinepe-RS disse não ter dúvidas de que o retorno será escalonado e que por questões cognitivas, financeiras e educacionais, o melhor é que a a volta “comece pelos pequenos, que precisam mais”. O diretor-administrativo do Colégio Província de São Pedro, Guilherme Bolognesi Peretti, concordou que as crianças das séries iniciais estão mais prejudicados no meio do ensino remoto. “Os mais velhos têm melhores condições do que os da Educação Infantil e séries iniciais. Há crianças sendo alfabetizadas à distância. Ao mesmo tempo, não tenho tranquilidade em imaginar o primeiro dia de aula, Será extremamente desgastante, pois teremos que conviver com a insegurança. Não existe saída fácil, pois os pequenos têm maior dificuldade de seguir os protocolos”, argumentou. Jorge Alexandre Bieluczyk, diretor da Rede La Salle de Educação Porto Alegre, observou que “a vida está acima de tudo, mas em algum momento teremos de retornar”.

Assunto voltará à pauta em duas semanas

O prefeito salientou que para que ocorra o retorno, haverá necessidade de transformação, sugerindo que avaliassem a possibilidade de adoção de metodologia mista, contemplando o presencial e o remoto. “Os protocolos em si, de nossa parte, serão baseados em evidências científicas que garantam proteção aos alunos, professores e seus familiares. Não vamos exigir nada que seja economicamente inviável”, sintetizou.

Um novo encontro deve ocorrer em 15 dias. “É muito difícil trabalhar a pandemia com setores em separado já que as decisões serão tomadas como um todo. A retomada das aulas tem impacto no transporte público e privado”, apontou. Nos próximos dias, Marchezan pretende se reunir com dirigentes das escolas estaduais e conveniadas da prefeitura de Porto Alegre.

Fonte: Foto: Guilherme Testa, Luciamen Winck, Correio do Povo

Deixe seu comentário: