Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Brasil pode comprar diesel da Rússia, afirma Bolsonaro - Rádio São José do Patrocínio

Fale conosco via Whatsapp: +55 51 996015863

No comando: Quarta-feira será de sol e calor na maior parte do RS

Das às

No comando: Madrugada São José

Das 00:00 às 06:00

No comando: Bombeando a cara do dia

Das 06:00 às 07:50

No comando: Festival da Trinca

Das 07:00 às 12:30

No comando: Correspondente Rede Guaíba Sat

Das 07:50 às 08:00

No comando: Show da Manhã

Das 08:00 às 12:00

No comando: Balcão de Negócios

Das 12:00 às 12:30

No comando: Momento Nativo

Das 12:30 às 13:00

No comando: ARCO DA VELHA

Das 13:00 às 14:00

No comando: Clube do Ouvinte

Das 14:00 às 17:00

No comando: Minha terra é assim

Das 17:00 às 19:00

Brasil pode comprar diesel da Rússia, afirma Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o Brasil pode passar a comprar diesel da Rússia, país que enfrenta um processo de isolamento no cenário internacional, com a aplicação de sanções econômicas, devido à invasão da Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro.

De acordo com Bolsonaro, a possibilidade da compra do combustível foi discutida na segunda-feira (27), em uma conversa por telefone com o presidente russo Vladimir Putin. Durante o diálogo, também foi negociada a aquisição de fertilizantes russos.

“Conversei com o presidente Putin. Trocas comerciais entre nós. Temos aí a segurança alimentar e a segurança energética. Então, há chance de comprarmos diesel de lá. Fica, com toda certeza, um preço mais em conta”, declarou o presidente brasileiro a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, em Brasília.

Bolsonaro afirmou ainda que o preço dos combustíveis pode diminuir se o barril do petróleo do tipo Brent no mercado internacional continuar caindo, mas ponderou que é a Petrobras que decide o valor cobrado no País.

“O que a gente precisa? Transparência em tudo. É igual hoje [segunda-feira], começaram alguns governadores a baixar o ICMS”, acrescentou o chefe do Executivo.

Fonte: Foto: Valter Campanato/Agência Brasil, Redação O Sul 

Deixe seu comentário: