Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Focos de Aedes aegypti têm crescimento de 337% em Caxias do Sul - Rádio São José do Patrocínio

Fale conosco via Whatsapp: +55 51 996015863

No comando: Quarta-feira será de sol e calor na maior parte do RS

Das às

No comando: Madrugada São José

Das 00:00 às 06:00

No comando: Bombeando a cara do dia

Das 06:00 às 07:50

No comando: Festival da Trinca

Das 07:00 às 12:30

No comando: Correspondente Rede Guaíba Sat

Das 07:50 às 08:00

No comando: Show da Manhã

Das 08:00 às 12:00

No comando: Balcão de Negócios

Das 12:00 às 12:30

No comando: Momento Nativo

Das 12:30 às 13:00

No comando: ARCO DA VELHA

Das 13:00 às 14:00

No comando: Clube do Ouvinte

Das 14:00 às 17:00

No comando: Minha terra é assim

Das 17:00 às 19:00

Focos de Aedes aegypti têm crescimento de 337% em Caxias do Sul

Caxias do Sul já encontrou, neste ano, 92 focos de Aedes aegypti, sendo 17 deles de mosquitos adultos. É um acréscimo de 337% sobre 2020, que teve 27 focos. Embora a cidade ainda não tenha registrado nenhum caso de dengue até o momento, o crescimento descontrolado dos criadouros é preocupante.

“Temos os mesmos eventos, a mesma temperatura, não é uma mudança ambiental. O que temos encontrado, infelizmente, é o descaso das pessoas”, relata a diretora técnica da Vigilância Ambiental em Saúde, vinculada à Secretaria Municipal da Saúde, Sandra Flavia Tonet. Embora os focos de Aedes aegypti estejam espalhados pela cidade, praticamente metade se concentra nos bairros Cruzeiro e São José.

A diretora técnica relata que, além do aumento das situações tradicionais de água parada, como pratos embaixo de plantas, ferro-velho, etc, apareceram casos novos, como falta de manutenção em piscinas, lonas jogadas em cima de algum objeto que formam pequenas poças, roda furada de motocicleta e construções civis paradas por causa da pandemia com tonéis de água sem tampa.

Mesmo não sendo uma atribuição da Vigilância, Sandra conta que a equipe já recolheu mais de 200 pneus deixados em via pública. “As orientações não são novas, as pessoas sabem o que precisa fazer, recolher o lixo, não deixar locais com água parada”, reforça.

A diretora explica que entre 26 de abril e 5 de maio será feito o LIRA (Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti). Ele é realizado quatro vezes por ano, uma meta pactuada em legislação federal. São sorteados quarteirões e todos os bairros da cidade são visitados, para verificar o nível de infestação. “Vamos fazer o LIRA porque é preciso e para saber o índice, mas mesmo antes dele já podemos afirmar: nossa cidade está infestada”, disse.

 

Fonte: Correio do Povo

Deixe seu comentário: