Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Polícia desarticula organização criminosa que atuava na Empresa Gaúcha de Rodovias - Rádio São José do Patrocínio

Fale conosco via Whatsapp: +55 51 996015863

No comando: Quarta-feira será de sol e calor na maior parte do RS

Das às

No comando: Madrugada São José

Das 00:00 às 06:00

No comando: Bombeando a cara do dia

Das 06:00 às 07:50

No comando: Festival da Trinca

Das 07:00 às 12:30

No comando: Correspondente Rede Guaíba Sat

Das 07:50 às 08:00

No comando: Show da Manhã

Das 08:00 às 12:00

No comando: Balcão de Negócios

Das 12:00 às 12:30

No comando: Momento Nativo

Das 12:30 às 13:00

No comando: ARCO DA VELHA

Das 13:00 às 14:00

No comando: Clube do Ouvinte

Das 14:00 às 17:00

No comando: Minha terra é assim

Das 17:00 às 19:00

Polícia desarticula organização criminosa que atuava na Empresa Gaúcha de Rodovias

A Polícia Civil deflagrou, na manhã desta terça-feira (14), a Operação Nossa Praça para desarticular uma organização criminosa estruturada no âmbito da EGR (Empresa Gaúcha de Rodovias).

Foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão e dois de prisão temporária em Porto Alegre e São Leopoldo. Os policiais estiveram na sede da EGR, na Secretaria de Logística e Transportes do Rio Grande do Sul e nas residências de investigados. Durante a ação, um ex-diretor-presidente e um ex-supervisor-executivo da EGR foram presos.

Segundo o titular da 1ª Delegacia de Combate à Corrupção, delegado Max Otto Ritter, as investigações indicam que contratos de manutenção de praças de pedágio foram prorrogados contrariando apontamentos de órgãos competentes de controle e da Procuradoria-Geral do Estado.

Conforme a Polícia Civil, um processo licitatório em andamento foi revogado para beneficiar diretamente empresas que já estavam contratadas desde 2019. A investigação apontou formação de cartel, superfaturamento e sobrepreço em uma licitação da estatal em 2018.

“Ademais, considerando a não indicação de renovação dos contratos, investigaram-se os motivos pelos quais o ex-diretor-presidente da estatal, preso nesta manhã (14), determinou a suspensão e posterior revogação da nova licitação, que já estava em andamento”, afirmou a polícia.

Foram apurados favorecimentos a empresas por antiga gestão da estatal envolvendo todas as 12 praças de pedágio mantidas pela EGR. Havia, inclusive, uma espécie de “escritório paralelo” para a concessão das benesses irregulares, de acordo com a polícia.

“Às empresas contratadas para fins de arrecadação de pedágios nas estradas estaduais, foram pagos, desde o ano de 2019, a importância de cerca de R$ 89 milhões”, concluiu a corporação.

A Operação Nossa Praça foi realizada com o apoio da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Porto Alegre e da Contadoria e Auditoria-Geral do Estado.

EGR

A EGR é uma empresa pública criada para administrar as estradas com pedágio pertencentes ao Estado. A estatal contrata empresas para o trabalho de arrecadação, manutenção, conservação, pintura e melhorias das rodovias.

Fonte: Foto: Polícia Civil/Divulgação, Redação O Sul 

Deixe seu comentário: