Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Produtores protestam em Porto Alegre contra novas normativas para o leite - Rádio São José do Patrocínio

Fale conosco via Whatsapp: +55 51 996015863

No comando: Quarta-feira será de sol e calor na maior parte do RS

Das às

No comando: Madrugada São José

Das 00:00 às 06:00

No comando: Bombeando a cara do dia

Das 06:00 às 07:50

No comando: Festival da Trinca

Das 07:00 às 12:30

No comando: Correspondente Rede Guaíba Sat

Das 07:50 às 08:00

No comando: Show da Manhã

Das 08:00 às 12:00

No comando: Balcão de Negócios

Das 12:00 às 12:30

No comando: Momento Nativo

Das 12:30 às 13:00

No comando: ARCO DA VELHA

Das 13:00 às 14:00

No comando: Clube do Ouvinte

Das 14:00 às 17:00

No comando: Minha terra é assim

Das 17:00 às 19:00

Produtores protestam em Porto Alegre contra novas normativas para o leite

Um grupo de produtores de leite do Rio Grande do Sul realiza, nesta terça-feira, um protesto em Porto Alegre pela anulação das Instruções Normativas 76 e 77 do governo federal. As medidas aumentam o controle sanitário e restringem a entrega de leite. Um ato ocorreu na Superintendência Regional do Ministério da Agricultura (Mapa) às 7h. Com duas vacas, os produtores realizaram caminhada em direção ao Palácio Piratini.

Os trabalhadores rurais ressaltam que não são contrários às medidas que tratam do controle da qualidade do leite. No entanto, alegam que essas normativas inviabilizam a produção dos pequenos e médios produtores. As instruções foram publicadas em novembro do ano passado pelo governo federal

As normas especificam os padrões de qualidade do leite e estabelecem várias alterações na forma de produzir, coletar e armazenar o produto. A mudança que mais preocupa é a temperatura máxima permitida para o leite chegar ao estabelecimento industrial. Com as novas regras, caiu de dez para sete graus.

Segundo os produtores, a alteração ignora a realidade daqueles que moram em locais muito distantes da indústria. As novas regras eliminam os pequenos em favor dos grandes, pois os produtores que não se adaptarem sairão do mercado.

“Em Piratini, por exemplo, o caminhão faz 200 quilômetros para chegar à indústria. O leite não chega com menos de 8 graus no inverno e a temperatura aumenta no verão. Com as normas antigas nem produtor, nem consumidor tiveram problemas”, observa Adelar Pretto, da Cooperativa de Produção Agropecuária Vista Alegre (Coopava).

Também há previsão de que o problema atingirá o consumidor, que em função do monopólio da indústria poderá pagar mais caro pelo litro de leite nos supermercados.

O preço pago pelo litro do leite também é alvo de reclamação. Na maioria dos municípios o preço do litro gira em torno de R$ 1,20. No entanto, os trabalhadores gastam praticamente o mesmo valor na produção.

Fonte:  Foto: Alina Souza Correio do Povo

Deixe seu comentário: