Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Queiroz é levado ao presídio de Bangu em razão de pandemia - Rádio São José do Patrocínio

Fale conosco via Whatsapp: +55 51 998045144

No comando: Quarta-feira será de sol e calor na maior parte do RS

Das às

No comando: Madrugada São José

Das 00:00 às 06:00

No comando: Bombeando a cara do dia

Das 06:00 às 07:50

No comando: Festival da Trinca

Das 07:00 às 12:30

No comando: Correspondente Rede Guaíba Sat

Das 07:50 às 08:00

No comando: Show da Manhã

Das 08:00 às 12:00

No comando: Balcão de Negócios

Das 12:00 às 12:30

No comando: Momento Nativo

Das 12:30 às 13:00

No comando: Clube da Saudade

Das 13:00 às 14:00

No comando: Clube do Ouvinte

Das 14:00 às 17:00

No comando: Minha terra é assim

Das 17:00 às 19:00

Queiroz é levado ao presídio de Bangu em razão de pandemia

O ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, foi transferido na tarde desta quinta-feira para o presídio de Bangu, no Rio de Janeiro, após ser levado inicialmente para o presídio de Benfica. Ele foi preso pela manhã em Atibaia, no interior de São Paulo, e é investigado pela suposta prática de rachadinha quando atuava no gabiente de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária, por questões de segurança e por conta da pandemia do novo coronavírus, Queiroz cumprirá o isolamento social durante 14 dias no Presídio Pedrolino Werling de Oliveira, no Complexo de Gericinó, em Bangu.

“Ressaltamos que o isolamento social de 14 dias é protocolo de prevenção ao contágio e disseminação da Covid-19 e se aplica a todos os ingressos do sistema prisional”, informou a secretaria, por meio de nota.

Prisão

Queiroz foi preso por volta das 6h30 desta quinta em Atibaia, no interior de São Paulo. O ex-assessor estava em um imóvel do advogado da família Bolsonaro Frederick Wassef, onde ficou por cerca de um ano.

A Operação Anjo, deflagrada no início da manhã desta quinta-feira, cumpre ainda outras medidas cautelares autorizadas pela Justiça relacionadas ao inquérito. As medidas incluem busca e apreensão, afastamento da função pública, o comparecimento mensal em Juízo e a proibição de contato com testemunhas.

De acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro, outros investigados são o servidor da Alerj Matheus Azeredo Coutinho; os ex-funcionários da casa legislativa Luiza Paes Souza e Alessandra Esteve Marins; e o advogado Luis Gustavo Botto Maia.

 

 

Fonte: Foto: Nelson Almeida / AFP / CP, R7, Correio do Povo

Deixe seu comentário: