Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Renda das famílias brasileiras mais pobres desaba mais de 21% durante a pandemia - Rádio São José do Patrocínio

Fale conosco via Whatsapp: +55 51 996015863

No comando: Quarta-feira será de sol e calor na maior parte do RS

Das às

No comando: Madrugada São José

Das 00:00 às 06:00

No comando: Bombeando a cara do dia

Das 06:00 às 07:50

No comando: Festival da Trinca

Das 07:00 às 12:30

No comando: Correspondente Rede Guaíba Sat

Das 07:50 às 08:00

No comando: Show da Manhã

Das 08:00 às 12:00

No comando: Balcão de Negócios

Das 12:00 às 12:30

No comando: Momento Nativo

Das 12:30 às 13:00

No comando: ARCO DA VELHA

Das 13:00 às 14:00

No comando: Clube do Ouvinte

Das 14:00 às 17:00

No comando: Minha terra é assim

Das 17:00 às 19:00

Renda das famílias brasileiras mais pobres desaba mais de 21% durante a pandemia

Além de aumentar a desigualdade entre ricos e pobres, a pandemia do coronavírus fez os ganhos das famílias brasileiras de baixa renda desabar 21,5% desde o fim de 2019, de acordo com estudo divulgado pela FGV (Fundação Getulio Vargas) Social.

O levantamento aponta que renda a individual média do brasileiro, incluindo informais, desempregados e inativos caiu 9,4%. Entre os 10% mais ricos, a queda foi 7,16%, valor dois terços menor do que o observado na metade mais pobre da população.

Os dados mostram ainda que 11,5% da queda dos ganhos das famílias mais pobres foi ocasionada pelo aumento de desemprego. Além disso, um contingente expressivo de trabalhadores se retirou do mercado sem perspectiva de encontrar ou exercer alguma função durante a crise sanitária.

O efeito-desalento, representado por profissionais que trabalham menos do que poderiam, explica a queda de renda de 8,2 pontos percentuais na metade mais pobre contra perda de 4,7 pontos na média geral.

Segundo o estudo da FGV, os moradores da região Nordeste (-11,4%), as mulheres que tiveram jornada dupla de cuidado das crianças em casa (-10,35%) e os idosos com 60 anos ou mais (-14,2%) lideram as perdas de renda no período da pandemia.

Fonte: Jornal O Sul

Deixe seu comentário: